domingo, maio 19, 2019

A questão não é falta de liberdade de imprensa, mas o que os jornalistas fazem quando têm essa liberdade

Sob o tema "Democracia e Liberdade de Imprensa", a revista portuguesa "Sábado", completou no passado dia 15 de Maio, 15 anos de existência. Apesar das discussões acerca deste tema já estarem mais do que batidas, como parece que até hoje existe uma certa dificuldade dos órgãos de comunicação social manterem a sua liberdade, mesmo em países democráticos, tenho que concordar que falar sobre esse assunto continua a ser pertinente.

Sofia Colares Alves - Representante da Comissão Europeia em Portugal, João Miguel Tavares - Jornalista, 
Francisco Teixeira da Mota - Advogado e Vladimir Netto - Jornalista

Não gosto muito de conferências que não dão voz à plateia, mas como eram muitos oradores, e todos eles muito bons, conseguiu-se um debate interessante. No entanto, no dia seguinte, todos os jornais portugueses, inclusive a Revista Sábado, resumiram o evento a uma única frase, proferida pelo Presidente da República em Portugal, Marcelo Rebelo de Souza, orador convidado para a abertura do evento: "Sem comunicação forte, não há democracia forte". Ok! Essa até pode ser uma frase de impacto, que justifique a manchete de todos os órgãos de comunicação (apesar de eu achar que toda a pessoa, com um bocado de inteligência, já sabe disso… ou seja, todo mundo que vive em democracia sabe que, faz parte da ordem democrática que tudo e todos sejam escrutinados no domínio público, certo?). No entanto, tanta coisa mais importante foi debatida neste evento e deixada para trás pelos órgãos de comunicação… o estrangulamento económico que as empresas jornalísticas estão a sofrer, o risco de sobreviverem somente as empresas mais fortes e voluntaristas, o combate às censuras veladas, como se defender de abusos, garantir a isenção e fomentar a leitura, enfim… como os escrutinados, mesmo não concordando com o que dizem deles, devem sempre usufruírem dos seus direitos de resposta.

O Presidente da República em Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa

Aliás, "a quebra da leitura em Portugal" foi, por exemplo, um dos pontos salientados pelo Presidente da República, nada explorado pelos órgãos de comunicação, apesar de eu achar que você,
que chegou até aqui, deve ser um dos poucos que ainda continuam a ler, não só em Portugal, mas em qualquer parte do mundo! Ou seja, estamos, também na comunicação (no artigo anterior referi a mesma coisa em relação à educação), atravessando um período de mudança de paradigma.

Como referiu Edwy Plenel, fundador da Mediapart (uma espécie de laboratório colaborativo que hoje se mantém somente com a receita obtida com os seus assinantes), "criou-se um monstro com a gratuidade das notícias via Net, tendo-se como fonte de rendimento somente as publicidades". Este foi um erro histórico pois, PARA FAZER UM JORNAL DE QUALIDADE É PRECISO PAGAR PESSOAS DE QUALIDADE (como se diz em Portugal, não é possível fazer omelete sem ovos!) Logo, se depois esse conteúdo é colocado gratuitamente na Internet, e as publicidades não são suficientes para custearem o trabalho do jornalista, quem o irá pagar?

Edwy Plenel

Por isso, a crise dos media de hoje, para além de ser fruto de problemas relacionados com a produção de conteúdo (pois hoje há uma "nova" figura no jornalismo, que não é jornalista, mas se mistura com este nos meios digitais, disseminando sobretudo convicções e não informação útil), também é fruto de problemas advindos da distribuição (cada vez mais rápida e com um maior alcance) de toda essa panóplia de conteúdo. (Até aqui, nada de muito novo).

Vladimir Netto
Mas foi a partir daqui que, para mim, começou o ponto alto deste evento, em nada explorado posteriormente pela comunicação social: A participação do jornalista brasileiro Vladimir Netto, autor do livro LAVA JATO, que inspirou a série da Netflix "O mecanismo". Confesso que não li o livro, mas quem o leu refere que, apesar do mesmo ser baseado em factos verificados e comprovados, há uma determinada altura em que o jornalista se confunde com um romancista, e é aí que fica evidente a opinião do autor (coisa que um jornalista deveria tentar não facultar - e digo tentar porque não acredito em imparcialidade total no jornalismo, pois a simples forma como este enxerga um acontecimento denota certa parcialidade).

Pois bem, mas neste contexto, achei interessante Vladimir Netto ter referido que no final do governo Dilma, ou melhor, quando se iniciou a operação Lava Jato, havia uma liberdade de imprensa total, e o acesso aos documentos do processo totalmente liberado para os jornalistas (coisa que, também de acordo com o mesmo, hoje em dia está muito diferente). Ora, isto me fez pensar que o problema pode não estar na falta de liberdade de imprensa ou acesso à informação, mas na capacidade do jornalista indagar: Por que eu tive, ou me deram, tanta liberdade? Por que eu tive, ou me deram,  acesso à essa informação? Qual é o interesse por trás daqueles que me facultaram essas informações?
Será que ninguém se lembrou de perguntar (e é por isso que eu não gosto de conferências sem a participação do público) se Vladimir Netto não achou no mínimo estranho toda essa facilidade com que os órgãos de comunicação tiveram acesso aos documentos da Lava Jato? 

Eu sei que a primeira temporada de "O mecanismo" (essa eu vi) mostra o juiz Sérgio Moro apenas como um vaidoso, que de tudo fez para progredir na carreira (se considerarmos onde ele está hoje, essa ideia não é de todo absurda). No entanto, naquela altura, nenhum jornalista desconfiou que tudo o que ele estava fazendo poderia não ser somente por "sede de justiça"? 
Será que ninguém desconfiou que poderia haver outras intenções na Lava Jato, e sobretudo na prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que não se prendiam única e exclusivamente com a "benevolência" ou vaidade desse juiz? Enfim… achei no mínimo naif essa visão romanceada de todo o processo da Lava Jato (mas isso é a minha opinião, porque isso é um artigo de opinião).

Não contesto o jornalismo que Vladimir Netto fez (e faz), mas sim a ingenuidade de não ter percebido porque a imprensa teve um acesso tão facilitado às informações deste processo naquela época, se hoje, como ele mesmo referiu, o atual governo "tem restringido o trabalho da imprensa", afirmando mesmo que "há um esforço em descredibilizar a imprensa brasileira".

O facto é que, em 2018, foram contabilizados 156 casos de violência contra jornalistas no Brasil, sendo 85 ataques por meios digitais (a maioria à blogueiros), e 4 deles terminando mesmo em assassinato. Existe, nas palavras de Vladimir Netto, uma prática de ataque à imprensa nunca vista antes. "Na reta final da campanha eleitoral de 2018 a imprensa era atacada uma média de 10 vezes por semana, segundo um levantamento do jornal Folha de São Paulo", completou.

A estratégia do atual governo é, portanto, taxar de verdadeiras notícias falsas (e aqui não confundir erro jornalístico, que as vezes pode acontecer, com notícias produzidas com má fé, para desinformar a população), utilizando um verdadeiro "exército" para repercutí-las, sobretudo através das redes sociais e aplicativos de mensagens instantâneas.

Apesar de todas as iniciativas que têm sido feitas para combater as fake news, como a criação de diversas agências de checagem (e aqui quem quiser poderá utilizar essas ferramentas para checar as informações que são disseminadas: Aos Fatos, Lupa, Projeto Comprova, Fato ou Fake, Estadão Verifica, Folha Informações) as pessoas precisam entender que "o produto do jornalismo não é mais 
a informação, mas sim a credibilidade da mesma", salientou Vladimir Netto, citando Jorge Furtado em 9 de Agosto de 2014. Daí a importância de todos, antes de compartilharem uma notícia, procurarem saber a sua fonte, ou seja, como a mesma foi feita? Qual a credibilidade de quem a produziu? Nos dias que correm, conhecer o processo de produção das notícias nunca foi tão importante!

Deixo-vos, aqui, o link de um programa que assisti hoje, na SIC Radical, que exemplifica muito bem "Como Isto Anda", no jornalismo.

sábado, maio 18, 2019

#WorldFamilySummit2019 - Enquanto em Portugal discutia-se o desenvolvimento sustentável a partir da Educação, o Brasil anunciava cortes na Educação...

Pode parecer um contrassenso, mas enquanto no dia 14 de Maio, no Brasil, articulava-se uma manifestação contra os cortes na Educação; em Portugal diversas entidades públicas, privadas e membros da sociedade civil em geral (entre os quais muitos brasileiros) discutiam o desenvolvimento sustentável a partir de uma "Educação de Qualidade". Isto aconteceu entre 13 e 15 de Maio, durante a edição de 2019 do World Family Summit, que foi realizado pela primeira vez em Portugal.


Para que nenhuma família seja deixada para trás, é necessário uma educação de qualidade

Mas afinal, o que é o World Family Summit?
Foi em 1947, em Paris (um ano após a criação da World Family Organization - uma organização internacional que nasceu para representar e defender os interesses das famílias no mundo) que aconteceu o primeiro Congresso Mundial da Família. Nesta altura, a recém criada Organização das Nações Unidas (ONU) esteve representada através 200 delegados e 27 nações. Em 2004, o então Secretário-geral da ONU, Kofi Annan, sugeriu celebrar o 10º aniversário do Ano Internacional das Família, e a World Family Organization, juntamente com universidades e organizações não governamentais afiliadas provenientes de 189 países, criaram a primeira edição do World Family Summit.
Por isso, durante 3 dias, 34 países membros das Nações Unidas debateram, em Lisboa, 3 dos 17 objetivos globais para o desenvolvimento sustentável que fazem parte da Agenda 2030 da ONU: educação de qualidade, comunidades e cidades sustentáveis e a criação de parcerias para o alcance de tais objetivos. Esta Agenda é, portanto, um conjunto de programas, ações e diretrizes, que os países membros da ONU propõem com o intuito de erradicarem a pobreza, protegerem o planeta, e promoverem a prosperidade para todos até 2030.

#worldfamilysummit2019
Tendo como mote "O desenvolvimento sustentável começa com a Educação", a sessão plenária do dia 14, do World Family Summit, enfatizou o aprendizado ao longo da vida e através de múltiplos caminhos como um direito de todos os cidadãos e uma obrigação do Estado e da iniciativa privada. Neste sentido, António Valadas da Silva, do Instituto para o Emprego e Formação Profissional em Portugal, salientou a importância do papel da família na educação, uma vez que a formação do indivíduo não termina com o fim do ciclo de estudos, e lembrou que o combate a pobreza, a proteção do ambiente e o fortalecimento da democracia, somente são possíveis através de uma educação permanente.

Portanto, apesar da educação de hoje precisar ser repensada, as instituições de ensino superior continuam a ter um papel ativo em toda e qualquer mudança. Somente com o pensamento crítico nas universidades, com a liberdade para experimentar e ter novas ideias, as universidades poderão contribuir para um desenvolvimento sustentável e inclusivo, completou Clara Raposo, Presidente do Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG) em Portugal. Somente através do debate entre as partes interessadas, as nações poderão se preparar para uma mudança de paradigma na educação.

É certo que a sessão plenária do dia 14 não teve como "keynote speaker" nenhum brasileiro… mas havia muitos a ouvir o que as outras nações tinham a dizer sobre uma educação de qualidade, e nenhuma das nações que se pronunciou retirou a importância do papel da universidade neste processo. Por isso, os professores devem estar preparados para o uso das tecnologias na sala de aula, mas como o acesso às tecnologias pode variar de país para país, os professores são os únicos que poderão contornar essa dificuldade. A importância dos professores está, portanto, justamente no facto do acesso ao conhecimento digital estar nas mãos deles e não nos objetos digitais. Um professor preparado e estimulado é capaz de decidir o que usar em suas aulas, ainda que os seus alunos não possam ter acesso direto às tecnologias, salientou o professor Millad M. SAAD, da Universidade Libanesa.

Por isso, ao ouvir no dia 14 de maio de 2019 diversos países membros das Nações Unidas exaltarem que o desenvolvimento sustentável de qualquer país começa na educação, e saber que no dia a seguir iriam haver manifestações no Brasil em protesto contra os cortes nas verbas destinadas à educação, eu tive muita dificuldade em entender o que o Brasil, apesar de ser um país membro da ONU, estava lá a fazer… Espero que os brasileiros que lá estiveram tenham realmente ouvido e interiorizado que uma educação de qualidade depende de investimento SIM, de um ensino superior de qualidade SIM, de professores preparados e motivados SIM, mas, sobretudo de liberdade para se experimentar e se ter novas ideias. Espero que todos tenham entendido que o pensamento crítico nas universidades só se constrói com debate, com participação cívica e com o exercício da cidadania. Por fim, espero que o Brasil todo tenha entendido a importância das manifestações do dia 15 de maio de 2019, e que não aceite que o direito à educação deixe de ser uma obrigação do Estado.

sábado, maio 11, 2019

Um palco, 6 bailarinos, 30 lâmpadas e temos um espectáculo de dança que é quase uma instalação artística!

Estreou ontem, dia 10 de Maio, mais um espectáculo do Quorum Ballet Companhia de Dança e... uma vez mais, foi MUITO BOM!
Se você não é português (e mais especificamente da Amadora), pode nunca ter ouvido falar deles, apesar de existirem desde 2005 e já terem apresentado 690 espectáculos, em 18 países diferentes! (mas se você ainda não ouviu falar deles saiba que o problema não está, certamente, na qualidade dos espectáculos, mas sim na comunicação e divulgação dos mesmos. Só que não irei me alongar sobre isso porque, afinal, este não é o objetivo deste post!)

Eu já tinha tido o privilégio de assistir o maravilhoso "Saudade - Back to Fado" e agora tive a oportunidade de ir à estreia de "IMPULSO". Sob a direção artística do coreógrafo e bailarino Daniel Cardoso, uma vez mais o Quorum Ballet mostrou que, para além da qualidade dos seus bailarinos - ainda que fosse notório o nervosismo e alguma falta de confiança normais em uma estreia (mas nada que com mais ensaios não se possa ajustar), o sucesso dos seus espectáculos está na CRIATIVIDADE com que usa elementos, que apesar de não serem inéditos em espectáculos de dança, são inéditos na maneira como esta companhia os utiliza.

Em "Back to Fado" a água foi o elemento presente e, desta vez, foi a LUZ! E aqui não estou falando da iluminação de palco, mas de 30 lâmpadas que, para além de comporem o cenário desse espectáculo, foram elementos essenciais, e participaram ativamente, das coreografias que ali foram criadas.


Quem me conhece sabe que fiz ballet clássico e depois me apaixonei pelo Flamenco. Ou seja, a dança contemporânea nunca foi uma paixão para mim porque sempre a considerei "pobre"... composta por um excesso de repetição de movimentos que, por vezes, tornam os espectáculos cansativos. Por isso mesmo, o bailarino contemporâneo acaba por se destacar muito mais pela interpretação que dá às coreografias do que propriamente pela técnica (muito mais exigente na formação clássica). Portanto, o que me conquistou no Quorum Ballet foi, em primeiro lugar, a maneira com a qual os seus bailarinos interpretam as coreografias. 

Em "IMPULSO" mais uma vez eles foram capazes de interpretar sentimentos, emoções… algo que "pulsasse" rápido (como um coração que bate por amor) ou devagar (como um coração que quase para de bater por causa de uma dor). Isso acompanhado por 30 lâmpadas que desciam do teto sobre o palco, acendendo e apagando ao ritmo de cada música, fez com  que os diferentes tipos de impulsos, as diferentes formas de pulsar, fossem interpretadas não só com a dança dos corpos, mas também com a dança das luzes. Tratou-se, portanto, não só de um espetáculo de dança, mas de técnica e criatividade. E aí estão os outros elementos que fizeram com que eu me rendesse à beleza dos espectáculos do Quorum Ballet. A combinação da dança com elementos como a água ou a luz, por exemplo, faz com que tenhamos mais do que um espectáculo de dança, uma verdadeira instalação artística!

Mais informações sobre o espectáculo IMPULSO em: https://quorumballet.com/en/events/impulso/

Saiba mais sobre o Quorum Ballet neste vídeo do programa televisivo "Feitos em Portugal" da RTP2

sexta-feira, maio 10, 2019

Por que e Para que uma Feira do Empreendedorismo Migrante?


O fim de semana passado estive na segunda edição da Feira do Empreendedorismo Migrante (FEM), promovida pela Associação Lusofonia Cultura e Cidadania, que aconteceu nos jardins do Palácio Pimentel/ Museu de Lisboa (o lugar em sí já valeu o passeio!). Mas a par das tradicionais “barraquinhas”, com artesanatos e iguarias de diversos países, esta feira foi mais um ponto de encontro entre pessoas de várias nacionalidades, com ideias empreendedoras, muitas das quais ainda em estado embrionário.
Por um lado, foi interessante observar um aumento de indivíduos de nacionalidades que, até então, não eram muito expressivas em Portugal, como venezuelanos, colombianos, filipinos, etc. Por outro lado, e tendo em conta que, segundo o site do evento, esta feira contou com o dobro de expositores do ano passado (cerca de 100), notou-se também uma maior incidência dos indivíduos dos países lusófonos, até mesmo pelo número de startups que têm surgido com os olhos postos nos mercados africano e brasileiro.
Marcelo Roriz, por exemplo, consultor migratório da empresa “Consultoria em Portugal”, revelou que, apesar de prestar serviços para imigrantes de qualquer nacionalidade, atualmente são os brasileiros, com um nível socioeconómico mais elevado, que mais os têm procurado. Este tipo de consultoria é prestada para indivíduos que ainda se encontram no Brasil, e desejam investir, trabalhar, estudar e viver legalmente em Portugal. No entanto, e tendo em vista a alta dos preços no mercado imobiliário em Lisboa, Marcelo também disse que, neste momento, a procura tem sido maior pela zona de Setúbal. “Só no próximo mês iremos receber 170 brasileiros, que já vêm com as situações regularizadas e as casas arrendadas”, revelou.
De facto, diversas têm sido as notícias que têm dado conta do aumento da comunidade brasileira em Portugal. Só os Jornais Diário de Notícias (em Portugal) e Folha de São Paulo (no Brasil) publicaram, no passado mês de Abril, 11 notícias sobre brasileiros em Portugal. Entre estas, o tema mais abordado prendeu-se, justamente, com o aumento desta comunidade no país. Daí o porque deste tipo de feira ser necessária. O número de estrangeiros residentes em Portugal voltou a crescer (de acordo com o Relatório de Imigração, Fronteiras e Asilo de 2017) e, entre eles, o número de brasileiros (5,1% a mais do que em 2016, totalizando 85.426). Destes, muitos têm vindo com o intuito de investir no país (o número de vistos para independentes e investidores duplicou de 2016 para 2017, segundo o Relatório Estatístico Anual de 2018 do Observatório das Migrações). Por isso, o principal objetivo da FEM foi “disponibilizar apoio, divulgação, promoção, formação, desenvolvimento de competências, para que estes indivíduos possam criar os seus negócios, redes de contatos e oportunidades de financiamento e investimento”.
No entanto, entre a necessidade de se existir eventos como este (por que) e os mesmos conseguirem atingir os objetivos a que se propuseram (para que), existe uma grande diferença: Vejamos, por exemplo, o caso de um projeto bastante interessante: o “Empreendedor Online.com”. Trata-se de um serviço de apoio à divulgação de negócios na Web, que além de desenvolver e administrar websites, pretende oferecer consultores especializados na área do cliente, a fim de maximizar a eficácia do negócio. Neste sentido, especialistas de diversas áreas poderão se unir ao projeto, enquanto “associado” ou “mentor social”, e prestar os seus serviços quando solicitados. É, sem dúvida, uma ideia bastante boa, mas que ainda precisa de apoio, sobretudo quanto a sua divulgação e promoção. E digo isto em tom de crítica construtiva, porque penso que uma empresa que pretende prestar um serviço de comunicação, deve tomar mais cuidado ao divulgar um folder explicativo escrito, “Saiba mais em: Projeto Empreendedores Online.com”, quando na realidade o nome do projeto - aquele que iremos pesquisar na Net - é Empreendedor (no singular e não no plural). Neste sentido, é para isso que servem estas feiras: Para darem este tipo de feedback e, assim, fazerem com que ideias giras como essa sejam trabalhadas e possam vingar no futuro.
É preciso, por exemplo, estar mais atento à comunicação, divulgação, e mesmo aproximação com um potencial cliente. Um dos expositores que chamou a minha atenção na FEM foi a “Associação Adoro Ser Mulher” - uma associação que pretende unir em rede o empreendedorismo feminino dos países e comunidades lusófonas. Lá também recebi um folder explicativo mas, diferentemente do que se passou no stand do “Empreendedor.com”, em nenhum momento, nenhuma das mulheres da “Adoro ser Mulher”, veio ter comigo para saber se eu pretendia maiores informações. Para um evento onde se pretende fazer networking, não achei essa postura muito produtiva, o que, uma vez mais, reforça a necessidade de uma maior disseminação deste tipo de eventos para o desenvolvimento de competências, sobretudo sociais e de gestão, que posteriormente poderão consolidar ideias. 
Apesar de em Portugal já estarmos mais habituados e ver coxinhas de galinha e pão de queijo à venda nos cafés, os imigrantes que para cá têm vindo almejam investir para além da restauração. É certo que muitos destes empreendedores não o eram em seus países de origem e que, por isso, apesar de boas e inovadoras ideias, poderão não saber colocá-las em prática. Se já é difícil fazer vingar um negócio no seu próprio país, cujas necessidades e a cultura da comunidade se conhece a partida, quão mais difícil será fazer isso em outro país?

domingo, maio 05, 2019

Aceitação, Superação, Improvisação, Solidão, Estereotipação... uma questão de bom senso ou senso comum?

Pelo jeito, nenhum dos dois.
Estive ontem na Primeira Edição do TEDxULisboa que, para quem não sabe, trata-se de uma série de conferências, já realizada em diversos países, destinada a disseminação de ideias (TED significa Technology, Entertainment, Design), que foi criada em 1984 por uma organização sem fins lucrativos, a Sapling nos Estados Unidos, para debater tecnologia e design. No entanto, com o tempo, os temas abordados por essas "talks" de no máximo 18 minutos, passaram a ser os mais variados possíveis, e, se calhar, é aí que está o "x" da questão (aliás, o "x", em TEDx, quer dizer que o evento é organizado de forma independente, o que, por um lado, dá mais liberdade para os países  tratarem temas mais próximos das suas realidades, mas, por outro lado, pode desvirtuar-se, um pouco, da ideia original). A meu ver, o TEDxULisboa, ao tratar de temas como, a "aceitação da homossexualidade", "a manutenção da motivação para a superação de problemas", "a importância da improvisação na vida", "a solidão de jovens, adultos e idosos" e a "estereotipação da ciência e dos cientistas em Portugal", entre outros, deixa um misto de sentimentos:
- Por um lado, preocupa-me que esse tipo de debate, para mim tão básico e óbvio (mas admito que talvez sinta isso devido a minha idade) seja tão necessário (visto a quantidade de jovens presentes), e seja tão ovacionado por jovens que parecem terem ouvido determinados "clichês" (que, à mim, remetem à questões de bom senso ou de senso comum) pela primeira vez.
- Por outro lado, se, de facto, existe este "gap" na juventude, ainda bem que existem eventos como esse (na minha época a gente ia para psicólogo mesmo!).
É preciso, no entanto, diferenciar "bom senso" de "senso comum". Enquanto o último pode refletir uma opinião, que as vezes até pode estar errada ou carregada de preconceito, o primeiro está ligado a ideia de sensatez, ou seja, a capacidade intuitiva de distinguir a melhor conduta em determinadas situações. Resumindo, enquanto o "senso comum" acaba por ser o modo de pensar da maioria das pessoas, de uma comunidade, de uma sociedade, num determinado período de tempo (tendo como base o conhecimento adquirido pelo homem a partir das suas experiências, vivências e observações), o "bom senso", como disse Aristóteles " é o elemento central da conduta ética".
Neste contexto, pode-se dizer que o TEDx vem para debater o "senso comum", colocando em causa determinados paradigmas (o que não é mal, desde que se tenha cuidado com as ideias que são disseminadas e com quem as dissemina, ou seja, desde que não coloque em causa o "bom senso" das pessoas), mas acaba por debater, também, o "bom senso", ou seja, a conduta ética do que podemos ou não fazer, visto que, atualmente, estas condutas também passaram a ser questionadas (e, nesse aspecto, já não sei se isto é tão bom…)
Mas a questão de fundo aqui não é a capacidade dessas palestras fazerem com que os jovens pensem em ideias que possam alterar o "senso comum", mas sim, em ter que haver palestras como estas para fazer com que os jovens pensem e debatam sobre determinados assuntos, questionem o "senso comum", e "aprendam" a ter "bom senso".
A questão é o TEDx em Lisboa, e em 2019, parecer mais um evento de "autoajuda", não muito diferente de quando vamos à missa de um padre mais moderno nos dias de hoje, e o quanto estes jovens parecem precisar de ajuda. Ainda que toda a ideia de moral tenha advindo da religiosidade, como devido ao seu caráter utilitário esta ideia tornou-se secular (Max Weber), as demandas morais quando descumpridas passaram a despertar os sentimentos de culpa, ressentimento e autodesvalorização (Jessé Souza), e, ao que tudo indica, a humanidade ainda precisa de ajuda para lidar com isso.
Sobre Solidão em adultos...

sábado, março 30, 2019

Minha Tese de Doutoramento no repositório da Universidade de Lisboa

Para quem estiver interessado, a minha tese de Doutoramento, "Trajetórias de Mobilidade Estudantil Internacional : estudantes brasileiros no ensino superior em Portugal", já está disponível para leitura no repositório da Universidade de Lisboa: http://hdl.handle.net/10451/37454

quinta-feira, março 14, 2019

Refugiados “à borda do prato”

Minha singela contribuição para a Cinco Letras, escola criativa!
https://cincoletras.com.br/refugiados-a-borda-do-prato/
Leia aqui!

quarta-feira, fevereiro 27, 2019